1 de junho de 2007

Poemetos sem aspirações... (Mentes)

Sinto-me sem infinitudes...
Somente o riso das estrelas
completa meus oceanos vazios
Sem ruídos de diamantes
Sem danças de violetas
Sem recriação de mim
Simplesmente metamorfoseada
Com fascinações esquivas
Com brumas esparsas
Entre um chão de sonhos desbrincados
e um cosmos de porquês desgramaticais.
Saussureanamente me arbitrário
Poeanamente me sobrenaturo
Drummondianamente sou gauche
Machadianamente me oblíquo
Baudelaireanamente me mortalho
Platonicamente me idealizo
Lispectoro- me em sujeitos
Garciamente sou cem solidões
Sofoclesmente me antagonizo
Russamente sou meus pais
Diariamente me mundanizo
Solitariamente me esqueço
Sem acasos, sem avessos
o outro apenas
sem problematização...

Patrícia Pirota (a long long time ago...)

Um comentário:

Lua disse...

amei as relações com os nosso grandesgrandes poetas..
Só vc escreve coisas assim: surpreendentemente boas. É por isso q um dia vc ainda vai fazer muito sucesso com essas 'escrivinhações' ^^
Bjo Patita
*