27 de março de 2007

Escrivinhações de baú (o preço a pagar)

Qual é o preço que se paga para ser o que se é?
Ouvindo "Ana's Song" e perturbada com os flashes da minha adolescência atormentando minha mente, chego à conclusão de que o problema não é o quanto se paga, mas aquilo que não pode ser comprado.
Em meio ao turbilhão de minhas milhares de crises me sinto uma mulher em pedaços.Não pedaços esparsos e solitários, mas retalhos desiguais que formam o manto que cobre meus caminhos.
Engraçado pensar que há pouco(uns anos atrás, qque no fim das contas parecem segundos escorrendo na boca do tempo) meu reflexo no espelho era de uma menina com os olhos brilhando, me mostrando a língua por pura traquinagem.
Hoje ele me mostra uma mulher com m maiúsculo sim senhor.Tão Pagu quanto nunca desconfiara ter sido.Carrego a bandeira do que penso, e não me importo que a sociedade destile seu fel sobre minhas impressões.
Mas há dias em que desvio os olhos para o tal espelho e vejo um cantinho vazio.Talvez seja um retalho, ou uma cor esquecida nos bancos em que sentei vendo o sol se pôr.Esse vazio aí não pode ser comprado.Talvez por não pertencer a ninguém.Talvez por ter deixado de existir.
E quanto ao "tal preço a ser pago" bota aí na minha conta vai!
Que pago no dia em que meus sorrisos forem suficientes pra preencher o vazio que há em não querer mais acreditar.

Patrícia Pirota 25/03/07

26 de março de 2007

Insanidades Aleatórias (bichinhos,natureza e hipocrisia)

Essa semana encontrei muitos conhecidos meus que se dizem vegetarianos.Quando perguntei a eles porque eles haviam tomado a decisão de parar de ingerir carne, uma esmagadora maioria me respondeu que queria ajudar a salvar a natureza.
Pois bem...Não há nada de errado em você crer que se não ingerir carne irá salvar o mundo.Mas o que me irrita de uma forma sem tamanho é a hipocrisia!"Ah!Eu não como carne porque fico com dó dos coitados dos bichinhos!"(uhum...então porque você chuta cachorros e têm um monte de bicinhos de pelúcia feitos da exploração de crianças?).Ah!Eu não como carne porque quero ajudar a salvar a natureza!(uai! e as coitadas das árvores que foram derrubadas pra você usar esse caderno branquinho aí e ficar rabiscando bobagens!)."Ah!Eu não como carne porque os animais não merecem ser mortos pra minha sobrevivência!"(ah tá!e milhares de pessoas no Oriente Médio merecem morrer por estarem "atrapalhando" a evolução!)."Ah!Eu não como carne porque eles alimentam os animais com ração transgênica e isso faz mal pros coitadinhos"(lálálá.mas você não se importa em ir pra balada,ouvir música eletrônica e consumir ácido né?).
Hábitos alimentares e "salvação do planeta" não podem ser considerados gêmeos siamêses.Aliás!Não podemos utilizar nossos hábitos alimentares como um tapete onde as "sujeirinhas" são jogadas embaixo.
Prefiro estar no topo da cadeia alimentar a estar no mar de hipocrisia moderno.Afinal, de que adianta não comer carne e jogar lixo na rua?De que adianta viver de alface e sonhar com um belo x-bacon?De que adianta comer tofu e falar mal da vida alheia?
Seria melhor se ao perguntado sobre o porquê de ser vegetariano, meu amigo me dissesse: "Ah!Porque 'tá na moda". Ao menos assim ele não seria hipócrita ao ponto de usar um estilo de vida tão bacana como desculpa pra sua covardia...


*Especialmente destilado para o Tudo de Blog

Como diria... (Ferreira Gullar)

Traduzir-se

"Uma parte de mim é todo mundo
outra parte é ninguém: fundo sem fundo.

Uma parte de mim é multidão
outra parte estranheza e solidão.

Uma parte de mim pesa, pondera
outra parte delira.

Uma parte de mim almoça e janta
outra parte se espanta.

Uma parte de mim é permanente
outra parte se sabe de repente.

Uma parte de mim é só vertigem
outra parte, linguagem.

Traduzir uma parte na outra parte
- que é uma questão de vida ou morte -
será arte?"

24 de março de 2007

Escrivinhações de baú (simples, sem colorações)

O cinza das paredes está cada vez mais morto.
Se fosse antes eu não suportaria que ele me olhasse assim, tão a ponto de sufocar meus sonhos.Mas hoje não me importo de ter suas íris cravadas em minha carne. Sonhos?Não, obrigada.Nem os da padaria.Secos demais.Doces demais.
Quero poder caminhar sobre a realidade.A que tanto reneguei.Que tanto amaldiçoei.De que me adianta sonhar com o tal pote de ouro no fim das cores, se já me contaram que ele não existe?!Prefiro o suor de 8 horas diárias de batalha, que presenteia minha carteira.
"Não!Não quero o conformismo de ter que bater o ponto às sete da manhã!Não quero me tornar de direita e considerar a Veja honesta e nada sensacionalista.Não quero ouvir Ivan Lins enquanto tomo Martini. Quero continuar correndo atrás de trabalhos e terminá-los às 6 da matina.Quero continuar de esquerda até mesmo à própria esquerda.Quero passar a vida lendo Mafalda e rir da ironia do mundo.Quero escutar Rolling Stones enquanto encho a cara de cerveja."
Olho para as paredes e decido então pintá-las de amarelo.Talvez assim eu consiga transportar um pouco da alma para a realidade.
Não quero mais um mundo de sonhos.Prefiro segundos de realizações...
Enquanto travo luta com minhas veias, a vida passa rápido por demais pela janela.Sem esperar que eu a acompanhe.
Simples, sem colorações.

Patrícia Pirota 23/03/07

12 de março de 2007

Escrivinhações de Baú (Retalhos)

A linha que costura minha colcha de retalhos está fraca.Já não sabe mais como juntar os pedaços de sonhos espalhados pelo chão.Olha.Respira.Olha.Olha.Olha.E não consegue sequer levantar as mãos para o céu.Anda pensando em pedir ao Sr. Tempo que lhe dê umas férias.Reza para que o Tic Tac do relógio fure seu dedo em sua máquina de fiar e durma por longos anos.Só não quer que o tal do príncipe apareça.Tem medo de que ele roube o castelo e a deixe só.
A linha que juntava meus retalhos não quer ver o sol.Diz que ele a lembra que há uma vida por trás da ilusão das sombras.Uma vida que ela tem medo de enfrentar. Ela teme que seus pontos não resistam ao nascer do sol.Agitada tenta dormir para apagar os erros da costura.
A mão que empunha a agulha e a linha já não quer mais abrir os olhos.Se quer apenas só."Longe do estéril turbilhão da rua".Longe dos sorrisos.Distante de tudo o que ela pensava ter deixado para trás,mas que volta sempre quando ela vê sua imagem pálida no espelho.
A mão que beijava meus retalhos de sonhos pede desculpas pela ausência.Diz que vai se retirar do tempo.Pedir ao vento que leve suas lágrimas embora.Buscar o brilho que perdeu em outra face.
Os retalhos por enquanto ficam assim:deitados sobre um chão de estrelas tortas. Esperando que uma tal de Sra. Vida sorria e os convide pra dançar.

Patrícia Pirota março/2007

8 de março de 2007

IInsanidades Aleatórias (Sobre fé, estrelas e amor)

Uma vez minha mãe me disse que "deus" não está preso em paredes,mas sim livre dentro de nós.A partir daí passei a ver um "deus" dentro de cada um.E se deus é mesmo aquele que faz com que o mundo se mova,logo cada um de nós se torna responsável por esse mundo.
Quem me conhece sabe que tenho teorias nada ortodoxas sobre religião(tá!são teorias infames proibidas a qualquer um que tenha o mínimo de bom senso).Não vou à igreja.Não faço orações padronizadas.Não dou dinheiro a qualquer instituição que se diz sem fins lucrativos(mas que acaba lucrando com a fé alheia).Mas quando fecho meus olhos e sinto o ar tocando meu rosto sei que há algo que me protege.Que me lembra todos os dias que por mais que os tempos sejam ruins, não há vitória sem batalha.Cada vez que olho para o céu, e vejo pontinhos brilhantes sobre minha cachola(estou falando das estrelas viu!não dos malditos satélites),sorrio ao pensar na energia que está presente em tudo o que há ao meu redor.Há quem diga que é Deus.Ou Alá.Ou sejaláqualforobenditonome!
Se alguém me perguntar qual é minha religião, digo que é o amor incondicional.Amor pela vida.Pela natureza.Pelo "próximo".Por si mesmo.Afinal, de que adianta ajoelhar,ou levantar as mãos aos céus, se a alma e o coração são tão vazios quanto minha carteira em fim de mês?! =]
Se todos praticassem o amor, ao invés de rituais cheios de poeira, talvez as pessoas não desistissem de acreditar num mundo melhor...E então a fé poderia ser como as estrelas, que brilham sempre,e mesmo que não as possamos ver, sabemos que elas estão lá,com o nome que demos a elas, sorrindo pra cada um de nós.

Especialmente destilado para o TUDO DE BLOG.

3 de março de 2007

Insanidades Aleatórias (Sobre camisetas, renew e sonhos)

"Mãe!O que vou fazer com minhas camisetas quando eu tiver trinta anos?", "Joga fora uai!"disse minha mãe sem dó nem piedade(pois é...maldade é herança de família)...
Ahhhh!Como assim joga fora?!Será que ela não tem noção de que minhas camisetas são minha primeira pele?! (é....porque tem gente que diz que roupa é a segunda pele, mas no meu caso, elas são a primeira, e ponto final!)
Ontem um aluno me perguntou quantos anos eu tinha, e como boa nerd respondi 4! (pra quem não sabe, isso significa 4 fatorial, que no fim das contas dá 24)(é...pra alguma coisa serviram as aulas de matemética!fazer traquinagens...=]).Ele não entendeu, e perguntou se eu tinha 17...Aiaiai...Abri um sorriso como se fosse uma criança ganhando um doce.Mas aí eu disse a verdade(ó céus!como dói dizer a verdade!)e ele disse que se eu continuasse me vestindo assim pareceria ter 17 pra sempre.
Então parei pra pensar no poder rejuvenescedor das minhas camisetas.Elas, mesmo velhinhas, continuam carregando meus sonhos no peito...E tenho que admitir que tenho um medo humanamente indizível de me separar delas...É como se elas fossem minha fonte dos desejos sabe.Mas ao invés de jogar uma moedinha, é só colocar no corpo e sair lépida e faceira por aí.

Juro que já tentei me imaginar com 30 anos, vestindo roupas que mulheres dessa idade vestem.Mas, ou minha imaginação tava com problema de conexão,ou ainda não estou pronta pra isso...Ou então tenho medo de me perder no caminho...E me esquecer dentro dos terninhos e scarpins...

Na última contagem feita eu tinha 60.É!Dá pra me vestir dois meses sem lavar roupa.=] Uma variedade tremenda de títulos e cores.A maioria preta,afinal, camisetas de bandas "antigamente" eram pretas...=] Acho que tenho quase toda a lista de top10 dos meus favoritos no guarda-roupa.ACDC,Rolling Stones,Ramones,Led Zeppelin,Drummond, ad infinitum...A maioria compradas, algumas feitas por mim.E entre os meus próximos sonhos de consumo advinha só o que mais tem!Lálálá...Camisetas...

Não posso mais pensar em minha vida sem aquele pedacinho de pano em forma de T que faz meus olhinhos brilharem como se o mundo fosse uma livraria gigante com direito a música de fundo.
Embora eu saiba que daqui uns dias vou ter que me preparar pra pensar nisso...Aliás, até liguei pra Dona psicóloga já...
Mas...Deixa isso pra mais tarde vai.O que me parece difícil também, porque daqui a uns cinco anos terei o dobro de camisetas que tenho, e será imensamente mais difícil deixá-las de lado...

Ah!Quer saber!Fica decidido que elas nunca sairão da minha vida.Nem que fiquem lá, no armário fazendo festinha entre si(comemorando aniversários,fazendo barulho).
Afinal, não há renew ou diabodecosmético no mundo que tenha o poder de me fazer parecer ter 17 anos pra sempre...

Especialmente destilado para o TUDO DE BLOG.