7 de fevereiro de 2007

Escrivinhações de baú (Encasulou-se e passaram-se séculos)

Supondo que as esperanças voltassem, mesclou-se flor. Recriava em si o fim do eterno, assim como buscava no espelho explicações de porquês. Sufocava-lhe a imagem de cores pálidas vagando entre sol e só, buscando nas letras dos pulsos suspiros de histórias que guardou no baú de nadas.
Levantou-se de sim mesma tentando tocar a névoa de suas ilusões que teimavam em brincar de esconder. O som invadia suas veias pulsantes a procura de sonhos.
Caminhou até o pôr-do-sol para banhar-se em seus raios sentindo ânsias de rasgar o véu do tempo e atirar-se livre nas asas da eternidade.
Nas cores das vozes de seus olhos encontrou o azul que roçava suas lembranças de ser sol.
Teceu com as solidões os braços cujas mãos envolveram suas inquietudes. As lágrimas formaram o fio de magia na dança das velas.
Encasulou- se e passam-se séculos.
Com o toque sinfônico do luar, desadormeceu e suas mãos realizaram o sonho de asas, percebendo que somos apenas as plumas que caem das asas de deus.

2 comentários:

Luana disse...

Sabe que escreve maravilhosamente bem, né?
E sabe tb que já sou sua fã, né?
Espero que saiba.
Bjo
*

Luana disse...

Que bom, q bom! Patty no tudo de blog! Ma tb, com um texto daqueles, TINHA q ser escolhida, ne? Parabéns!!!! Agora ngem segura a Patita! Espero que isso seja apenas um começo na sua carreira de escritora, pq menina, vai escrever bem assim na terra do...talvez?!!!
E sempre sempre lerei suas crônicas. Tou de dedinhos cruzados! Sooooooooooooooooooooooooooorte gigante pra vc, Dona Patty!
=]
Bjo de novo
*