4 de agosto de 2006

Poemeto - Presente para as cinzas

"Quantos verões passei
buscando a eternidade...
mas minhas asas
não voaram além do sol.
Procurei em cada brilho
de lágrimas dispersas
a cor de vidas quem não são minhas
...do mundo.
Quantos cadáveres
foram esquecidos
nas gavetas da desilusão,
e quantas notas caídas
entre a escuridão de luzes nuas...
Sou poeta
que guarda o amor para si
presenteando as cinzas."
Patrícia Pirota

Um comentário:

astroboy disse...

"primaveraaaaa se foiiiiiiiiiiiii"

(L) kiss